Pesquisar
Close this search box.

MINHA CONTA

RIGOLBOCHE. Dias Campos

21 de julho de 2022

No prefácio à 5ª edição do seu Amor de perdição, Camilo Castelo Branco demonstrou-se um visionário, visto que assim se manifestou, referindo-se ao século 21: “Como a honestidade é a alma da vida civil, e o decoro é o nó dos liames que atam a sociedade, lembra-me se vergonha e sociedade ruirão ao mesmo tempo por defeito de uma grande evolução-rigolboche. A lógica diz isto; mas a Providência, que usa mais da metafísica que da lógica, provavelmente fará outra coisa.”

Ora, se relembrarmos que, segundo o dicionário, rigolboche significa devassidão no comportamento, e se olharmos rapidamente para um passado pouco distante, é inevitável a conclusão de que os alicerces sociais brasileiros foram bastante abalados.

Isso me faz lembrar a velha luta entre o bem e o mal, das virtudes contra os vícios, o “‘Tudo me é permitido’, mas nem tudo convém”, conforme afirmou o apóstolo Paulo.

Com efeito, até Ulisses seria classificado como café pequeno se comparássemos os seus mil ardis com a variedade dos meios utilizados pelas legiões rigolboches!

É claro que, faço questão de frisar, não se trata, aqui, de policiamento, de puritanismo, ou de coisa que o valha. Mas como o que está em jogo é a base social, a família, o que de fato importa será a nossa firmeza de posicionamento, a escolha de um lado.

 

Camilo Castelo Branco é um dos maiores autores do Romantismo em Portugal, e em 1862 produziu este que é o seu romance mais famoso.

Neste sentido, se é verdade que “Imaginar uma sociedade impenetrável às transformações das épocas é imaginar um corpo sem porosidade.”, como registrou Joaquim Nabuco, não menos exata é a afirmação de Lacordaire, para quem “A sociedade não é mais do que o desenvolvimento da família; se o homem sai da família corrupto, corrupto entrará na sociedade.” 

Daí a nossa excessiva preocupação com os temas espinhosos que volta e meia são oferecidos para as nossas crianças sob a forma de irresistíveis maçãs do amor, mas cujo caramelo, reluzente e sedutor, só tem a função de encobrir a ameaça contida nessa fruta podre.

E tanto isso é verdade, tão perigosa pode ser uma única mordida, que este ensinamento de Richter deveria ser impresso, emoldurado e colocado sobre os criados-mudos de cada pai e mãe do nosso Brasil: “A época mais importante da vida é a infância, quando a criança começa a modelar-se por aqueles em cuja companhia vive.”

Sendo assim, as perguntas que não podem ficar sem respostas são estas: Que exemplos passamos para os nossos filhos? temos consciência de que, dependendo da nossa conduta, eles caminharão sob o aconchego do sol ou se arrastarão na gelidez das sombras?

De nossa parte, e graças a Deus, estamos tranquilos quanto à qualidade do alimento moral que oferecemos todos os dias para o nosso herdeiro, o que nos permite deitar a cabeça no travesseiro e dormir o sono dos justos.

Mas, e quanto aos pais que deram ouvidos às fascinantes melodias rigolboches? Devem necessariamente colher o que plantaram ou será que ainda há esperanças no horizonte?

Apesar da legislação permissiva, da linguagem cativante, dos raciocínios enganosos, e de uma infinidade de artimanhas utilizadas por aquela “evolução” para destruir a família, é certo que a Providência não se calou diante de tantas investidas.

E como é sabido que Ela também age por nosso intermédio, muitas vozes se levantaram e outras tantas se erguem na defesa dos bons valores e na recondução de quem ainda se acha desorientado.

Uma, em especial, faço questão de recomendar. É a do conhecido e carismático Divaldo Pereira Franco, que no 34º Congresso Espírita do Estado de Goiás, em 2018, abordou, entre outros temas, a ideologia de gênero, e indicou os meios mais eficazes para nos imunizarmos e aos nossos filhos. – esta e muitas outras palestras constam no YouTube.

Para aqueles, porém, que não comprometeriam, sequer por curiosidade, alguns minutos de suas vidas para ouvirem o citado médium baiano, saibam do nosso respeito e fiquem com o nosso fraternal abraço.

No entanto, para finalizarmos esta crônica serão necessárias uma advertência e uma interrogação: Se “Em matéria social é o rótulo impresso na garrafa que determina a qualidade e o sabor do vinho.”, segundo escreveu Eça de Queiroz, pensando em nossos filhos e na sociedade em que viverão, você realmente teria coragem de beber uma taça do tinto Rigolboche?

 

 

*Dias Campos é escritor / São Paulo – SP

ESTÁ GOSTANDO DO CONTEÚDO? COMPARTILHE

Facebook
Twitter
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ULTIMAS NOTÍCIAS

11 de junho de 2024

No domingo (09), a cidade de Gravatá recebeu o 1º campeonato de skateboard, esse evento foi organizado pelos atletas de skate de Gravatá, contou com ...

11 de junho de 2024

A programação do Maior e Melhor São João do Mundo segue a todo vapor nesta terceira semana. No Dia dos Namorados, na quarta-feira (12), os ...

11 de junho de 2024

Em cerimônia que contou com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a governadora Raquel Lyra assinou, nesta terça-feira (11), em Brasília, o ...

11 de junho de 2024

O Dia dos Namorados, celebrado no Brasil em 12 de junho, é uma data especial para os casais apaixonados, marcada por declarações de amor, troca ...