Pesquisar
Close this search box.

MINHA CONTA

A CRISE CLIMÁTICA E A EDUCAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL Por ROBERTO PEIXOTO*

21 de maio de 2024

(Foto: Reuters/Diego Vara)

Uma coisa tem a ver com outra: a crise climática no Rio Grande do Sul afeta especialmente crianças e adolescentes e impacta a garantia do direito à Educação, que é essencial para acessar os demais direitos sociais. É interessante também refletir, sobre o aspecto de que essa mesma crise climática tem suas causas naturais e políticas.
Por exemplo, são causas naturais e a ciência explica: Variações na radiação solar: A quantidade de energia solar que chega à Terra varia ao longo de milhares de anos devido a mudanças na inclinação do eixo da Terra e em sua órbita ao redor do Sol. Essas mudanças podem causar períodos de resfriamento e aquecimento graduais. No entanto, a influência humana no clima é muito mais significativa e rápida do que essas variações naturais.

Erupções vulcânicas: Grandes erupções vulcânicas podem lançar grandes quantidades de gases e partículas na atmosfera, o que pode causar resfriamento temporário do clima. No entanto, o efeito das erupções vulcânicas no clima é de curto prazo e não pode explicar o aquecimento global de longo prazo que estamos observando.
Mudanças na atividade oceânica: As correntes oceânicas desempenham um papel importante na regulação do clima da Terra. Mudanças na circulação oceânica podem causar alterações nos padrões climáticos regionais, mas não são capazes de causar o aquecimento global observado.

No âmbito das causas políticas e diretamente humanas, observamos questões fundamentais como: Queima de combustíveis fósseis: A queima de carvão, petróleo e gás natural libera gases de efeito estufa na atmosfera, como dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. Esses gases retêm o calor do Sol, causando o aquecimento da Terra. A queima de combustíveis fósseis é a principal causa do aquecimento global e das mudanças climáticas.

Desmatamento: As florestas absorvem dióxido de carbono da atmosfera. Quando as florestas são desmatadas, esse carbono é liberado na atmosfera, contribuindo para o aquecimento global. O desmatamento é um grande problema no Rio Grande do Sul, especialmente na Mata Atlântica.
Agricultura: A agricultura contribui para as mudanças climáticas de várias maneiras, incluindo a emissão de gases de efeito estufa do gado e do uso de fertilizantes, o desmatamento para a criação de pastagens e campos agrícolas e a mudança no uso do solo, que pode alterar a capacidade do solo de armazenar carbono.
A Indústria: A indústria contribui para as mudanças climáticas emitindo gases de efeito estufa na atmosfera, como dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, a partir de processos como a geração de energia, a fabricação de produtos químicos e a produção de metais. No Rio Grande do Sul, os efeitos das mudanças climáticas já estão sendo sentidos, incluindo: Aumento da temperatura média: A temperatura média no Rio Grande do Sul aumentou cerca de 1 grau Celsius desde o final do século XIX. Esse aquecimento está causando uma série de mudanças, incluindo o derretimento das geleiras, o aumento do nível do mar e eventos climáticos extremos mais frequentes e intensos.

Por outro lado, temos as mudanças nos padrões de precipitação: As chuvas no Rio Grande do Sul estão se tornando mais irregulares, com períodos mais secos e mais úmidos. Isso está causando problemas para a agricultura e pode levar à escassez de água.

Na verdade, os eventos climáticos extremos, como secas, inundações, tornados e tempestades, estão se tornando mais frequentes e intensos no Rio Grande do Sul. Esses eventos podem causar danos à propriedade, infraestrutura e safras, e podem representar um risco à vida humana.

Politicamente falando, o poder público vem caminhando na direção oposta até aqui. Em setembro de 2019, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, alterou 480 pontos do Código Ambiental do estado, até então referência em proteção ambiental no Brasil. À época, Leite afirmou que o novo código teria como resultado “um melhor equilíbrio entre a proteção ambiental e o desenvolvimento socioeconômico”. Os fatos desmentem o Governador.

É importante notar que as causas e os efeitos das mudanças climáticas são complexos e interligados. As atividades humanas estão exacerbando as causas naturais das mudanças climáticas, e os efeitos das mudanças climáticas estão tendo um impacto significativo nos sistemas naturais e humanos. Para combater as mudanças climáticas, é necessário reduzir as emissões de gases de efeito estufa e se adaptar aos impactos que já estamos sentindo. Isso exigirá um esforço global e mudanças significativas na forma como vivemos e trabalhamos.

Enquanto isso, Com as inundações, boa parte das escolas do estado pararam de funcionar. Seu fechamento, apesar de inevitável, fere o direito à Educação, o que implica também em uma maior dificuldade de assegurar os demais direitos das crianças, adolescentes e suas famílias.

Na rede estadual, estima-se que 300 mil estudantes tenham sido impactados, quase metade das matrículas na rede estadual. Ao menos 217 mil estão sem qualquer contato com suas escolas. A estimativa é de que 30% a 40% dos professores tenham perdido suas residências.

Das escolas estaduais, 1.044 foram atingidas, o que representa 45% da rede. Destas, 588 foram danificadas e cerca de 50 terão de ser reconstruídas, provavelmente em outras localidades. É uma dupla tragédia: No meio ambiente e na escola.

ESTÁ GOSTANDO DO CONTEÚDO? COMPARTILHE

Facebook
Twitter
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ULTIMAS NOTÍCIAS

21 de junho de 2024

Nas vésperas de se desincompatibilizar de suas funções da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, Sudene, para estar apto para disputar as eleições de outubro, o ...

21 de junho de 2024

A programação do Pátio de Eventos no Maior e Melhor São João do Mundo terá algumas mudanças neste fim de semana para trazer ainda mais ...

21 de junho de 2024

Arte feita em casa, Pernambuco. Profusão em cadeia. Câmara de efusivas discussões de história, tradição e contemporaneidade. Isso Foi um Estrondo? é o resultado do ...

21 de junho de 2024

A partir deste sábado, 22 de junho, acontece em Caruaru a “FESTA DA RUA 3 DE MAIO – 22 anos de Tradição!”, conhecida como uma ...